CUIDADOS COM A SAÚDE DO SEU PARTCOLOR

 

A chegada de seu filhote em casa

 

Seu filhote acabou de deixar para trás tudo o que lhe era familiar – sua mãe, irmãos e irmãs da mesma ninhada, além do ambiente onde nasceu. Você deve dar as boas-vindas ao seu filhote de forma tranquila e delicada, para que ele não fique assustado. Acomode-o em um lugar calmo e deixe-o explorar o restante de sua nova casa gradativamente com o passar dos dias.

As necessidades básicas do filhote são simples:
•    Muitas horas para dormir, sem ser perturbado. Escolha uma cama confortável, fácil de limpar e resistente, colocando-a em uma área tranquila. 
•    Água limpa e fresca à vontade.
•    Refeições regulares e frequentes com a ração de filhote no mesmo lugar e no mesmo horário todos os dias. Isso ajudará a estabelecer uma rotina que garantirá que as necessidades do filhote sejam supridas.

Uma boa dica é manter ao máximo a rotina do filhote nos primeiros dias,utilizando, inclusive, a dieta que ele recebia. Você até pode pedir ao criador para lhe fornecer uma pequena quantidade da ração de seu filhote. Evidentemente, assim que os primeiros dias passarem e seu filhote estiver acomodado, você poderá começar a introduzir a ração da Royal Canin se ele ainda não estiver se alimentando com ela. 

Durante esses primeiros dias, brinque com seu filhote frequentemente para acalmá-lo, mas mantenha sessões lúdicas breves, com brinquedos apropriados. Se você deixá-lo brincar com seus chinelos ou mordiscar seus dedos agora, por exemplo, ele não saberá que esses comportamentos não serão permitidos mais tarde.

Não leve seu filhote para passear ou se encontrar com outros cães até que ele tenha recebido todo o esquema de vacinação inicial. Se você não souber o que é seguro para seu filhote não vacinado, fale com seu veterinário em busca de orientação.

Se você já tiver outro animal de estimação, introduza-o ao novo filhote com cuidado, em um espaço neutro em sua casa. Mantenha os cães e o filhote na coleira inicialmente e recompense o cão mais velho com muitos elogios, finalizando o encontro com uma observação calma e positiva se você achar que as coisas podem ficar um pouco turbulentas. Se você for introduzir seu filhote ao gato da família, mantenha o filhote preso inicialmente e faça com que o gato se sinta confortável na presença dele antes de permitir o contato frontal. Tenha certeza de que seu gato possua lugar seguro para se retirar se ele não quiser a atenção do cão.

É improvável que o adestramento das necessidades básicas (evacuação e micção) seja aprendida nas primeiras semanas. No momento, a melhor coisa a se fazer é levar seu filhote com frequência até uma área externa da casa se ele ainda não for vacinado ou à rua se for vacinado, particularmente quando ele acordar e depois das refeições. Parabenize-o quando ele fizer as necessidades fora de casa. Se acontecer algum “acidente” dentro de casa, não o reprenda, mas tente prever a necessidade de seu filhote para sair da próxima vez.

Tendo gasto suas primeiras semanas de vida rodeado por seus irmãos, irmãs e mãe, seu filhote também terá de aprender como viver sozinho. Isso é importante, pois significa que você será capaz de deixá-lo sozinho por algumas horas e ele ficará satisfeito em dormir sozinho em sua própria cama durante a noite. Desde o início, certifique-se de acostumá-lo a ficar sozinho por breves períodos e, depois, aumente gradativamente o período de tempo que você gasta distante de seu filhote, para que ele aprenda que não há o que temer em ficar sozinho e que você voltará. Se seu filhote chorar à noite não se desespere, apenas acalme-o, mas sendo firme e não o retire do local onde ele terá que dormir, logo seu filhote aprenderá a dormir sozinho com tranquilidade.

Fonte: http://www.royalcanin.com.br/newsletter/cao-filhote/a-chegada-de-seu-filhote-em-casa

 

A primeira consulta do meu filhote ao veterinário

 

Crie uma rotina de vistas ao veterinário. Check-ups regulares ajudam a manter seu filhote saudável e garantem que ele se acostume com as idas ao veterinário. Você já pode estar familiarizado com um veterinário da região ou, então, seus amigos poderão recomendar algum profissional de confiança. É importante que você encontre a clínica certa; para isso, procure nas redondezas ou, então, visite uma clínica para ver quais os serviços que ela oferece.

Tenha sempre em mãos o telefone de uma clínica ou hospital veterinário 24 horas em caso de emergência.

Então, o que vai rolar na primeira consulta veterinária de seu filhote?
•     Uma avaliação completa e meticulosa para garantir que seu filhote está em excelente condição de saúde e não apresenta qualquer sinal de comprometimento ou debilidade.
•    A primeira vacinação, a menos que ela já tenha sido feita, o que ajudará a proteger seu filhote contra as doenças infecciosas mais graves. 
•    Como a maioria dos filhotes necessitará de vermifugação regular, o veterinário pode administrar o tratamento em caso de necessidade e aconselhá-lo sobre quais produtos você deve usar. 
•    Você ainda pode discutir muitos outros assuntos, como controle de pulgas, aplicação de microchip, seguro para animais de estimação, castração, dieta e adestramento.

Talvez você fique apreensivo em não se lembrar de todas as informações, mas não se preocupe. Muitas clínicas possuem folhetos ou panfletos sobre esses assuntos e ficarão satisfeitas em responder às suas dúvidas. Por isso, não hesite em perguntar qualquer coisa em caso de dúvida.

Seu filhote pode estar um pouco confuso e sobrecarregado à primeira vista – afinal de contas, é muita informação para ele assimilar, com todos os novos cheiros, pessoas e experiências. Contudo, com um pouco de mimo feito por você e pela equipe veterinária, logo ele começará a se sentir mais relaxado. Se aparentemente seu filhote ainda estiver um pouco nervoso ao término da consulta, tente levá-lo de volta à clínica com regularidade, especialmente se for só para dizer um “oi” na sala de espera. Com isso, ele começará a perceber que não há nada o que temer e ficará feliz em visitar a clínica quando estiver bem; assim, a clínica se tornará muito menos estressante quando ele for adulto ou mesmo se estiver mal.

Esperamos que essa primeira ida ao veterinário seja o início de uma ótima relação com sua clínica de escolha — uma relação que pode durar toda a vida de seu filhote, ajudando você a mantê-lo no melhor estado de saúde possível.

Fonte: http://www.royalcanin.com.br/newsletter/cao-filhote/a-primeira-consulta-do-meu-filhote-ao-veterinario

 

As primeiras vacinas de seu filhote

 

Ao nascimento, os filhotes contam totalmente com os anticorpos fornecidos pelo leite da mãe para protegê-los contra microrganismos nocivos. Com o passar do tempo, essa proteção começa a desaparecer e os filhotes ficam vulneráveis a doenças infecciosas. Evidentemente, logo seu filhote será capaz de combater esses problemas sozinho; no entanto, existem certas condições muito graves ou comuns que continuam sendo uma verdadeira ameaça. A vacinação ajuda a evitar que seu cão adquira essas doenças.

No Brasil, os cães costumam ser vacinados contra:
•    Cinomose — uma virose grave, podendo causar tosse intensa e diarreia. Os cães com cinomose frequentemente desenvolvem uma pneumonia fatal ou até mesmo paralisia.
•    Hepatite — esse distúrbio grave, que é causado por um vírus altamente infeccioso e afeta o fígado, pode se desenvolver de forma extremamente rápida. 
•    Parvovírus — esse vírus, que sobrevive no ambiente por muitos meses, costuma afetar os filhotes, provocando uma diarreia sanguinolenta frequentemente fatal. 
•    Vírus da Parainfluenza — um vírus envolvido na etiologia da “tosse dos canis”, que é altamente contagiosa e costuma se desenvolver em ambientes onde existem muitos cães em proximidade estreita.
•    Leptospirose – uma infecção bacteriana que é disseminada por ratos, frequentemente através de água contaminada, e causa insuficiência hepática/renal grave e também pode ser transmitida dos cães para os seres humanos. 
Todas essas vacinações podem ser aplicadas sob a forma de uma única e pequena dose de injeção subcutânea. Ocasionalmente, outras vacinações também são administradas, conforme a necessidade.

O curso primário de três a quatro injeções costuma ser iniciado em torno de 45 dias a 8 semanas de vida, garantindo que a proteção contra todas essas condições atinja níveis adequados. Os reforços anuais, então, são requeridos para garantir a proteção contínua.
Ao ser vacinado, o filhote recebe uma pequena dose de vírus ou bactérias para estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos contra esses agentes. Tais agentes virais ou bacterianos geralmente estão mortos ou inativados e, por essa razão, são incapazes de provocar doença. 
Você pode notar que o filhote parece um pouco “amuado” ou “apático” nas primeiras 24 horas após a aplicação da vacina. Isso acontece porque o sistema imunológico do animal está trabalhando para reagir à vacinação em si. Tente não se preocupar, mantendo-o em repouso, e entre em contato com seu veterinário em busca de orientação se você achar que seu filhote não voltou ao normal depois de 24 horas. 
A vacinação ajuda não só a manter seu filhote saudável, mas também a evitar a disseminação de doenças, beneficiando a população de cães domésticos como um todo. Desde que a vacinação de cães domésticos foi introduzida pela primeira vez, ela tem ajudado a diminuir drasticamente a incidência dessas doenças. Contudo, o número de cães não vacinados na população indica que alguns casos ainda poderão ser observados hoje em dia; portanto, a vacinação de seu filhote ainda é uma etapa importante.  
Todos nós desejamos fazer o melhor para nossos animais de estimação e, nesse sentido, a vacinação representa uma das medidas preventivas mais importantes que podemos tomar em favor deles. Recomendamos que você fale com seu veterinário em busca de mais informações sobre os programas de vacinação de seu cão.

Fonte: http://www.royalcanin.com.br/newsletter/cao-filhote/as-primeiras-vacinas-de-seu-filhote


Defesas Naturais

O crescimento é um período delicado para o cão. Seu filhote está aprendendo muitas coisas novas todos os dias e é no seu sistema de defesa natural que ocorre uma das mudanças mais drásticas e cruciais, que ajuda a proteger seu filhote contra bactérias, vírus e outros patógenos.

Ao nascimento, os filhotes contam totalmente com a proteção recebida pelo leite de suas mães, mas gradativamente eles deverão desenvolver seu próprio sistema de defesa, um processo que pode levar muitos meses. Entre 4 e 12 semanas de vida, o filhote é particularmente vulnerável, pois suas próprias defesas ainda não estão completamente funcionais e a proteção materna está declinando. Isso ocorre em um período crucial quando o filhote está prestes a experimentar a reviravolta de mudar de casa para um ambiente completamente novo, encontrando-se com novos cães e recebendo suas vacinas.

Então, o que podemos fazer através da dieta para ajudar a manter as delicadas defesas naturais de seu filhote à medida que ele cresce? Na Royal Canin, utilizamos uma fórmula exclusiva destinada a ajudar o filhote a desenvolver defesas naturais saudáveis. A combinação sinérgica de antioxidantes (como vitamina E, vitamina C, taurina e luteína) ajuda a neutralizar os radicais livres e, comprovadamente, a manter as defesas naturais em desenvolvimento. A adição de fibras naturais conhecidas como manano-oligossacarídeos ajuda a manter as defesas locais no trato digestório e promover o surgimento de uma população  bactérias intestinais benéficas.


Fontehttp://www.royalcanin.com.br/newsletter/cao-filhote/defesas-naturais

Trocar a Fralda

Um bebê deve ter sua fralda trocada sempre que urina ou defeca mas no cachorrinho recém-nascido isso não é possível. Para entendermos o nosso papel nesse cuidado é precido entender o comportamento da cadela. Para manter os filhotes e o ambiente limpos, e não atrair predadores, a cadela lambe a vulva/pênis e ânus dos filhotes e só após esse estímulo que eles vão eliminar fezes e urina. Não, você não vai precisar lamber o filhote, mas deve usar um algodão umidecido e, gentilmente, simular a lambedura da cadela. Esse procedimento deve ser realizado em cada filhote pelo menos 10 vezes no dia. Se você encontrar fezes e urina no ninho é porque não está estimulando a eliminação de fezes e urina o suficiente. Quando não suportar mais o filhote vai eliminar sozinho mas isso não é o ideal pois causa dor, estresse, retorno de urina para os rins e cólica intestinal. Esse procedimento deve ser realizado durante as primeiras 2 semanas de vida do filhote.

 

Alimentação

Até aqui vimos que tal como os bebês humanos, os bebês caninos também precisam ser aquecidos, defecam, urinam, gritam (não como os humanos) e comem.

Atualmente temos no mercado algumas marcas de leite substituto canino em pó (PetMilk) ou líquido (Milk Bomguy). Um filhote de 400 g deve receber em cada refeição de cerca de 15ml de leite, perfazendo um total de 90 a 120 ml por dia. Entretanto há uma variação na concentração de nutrientes em cada leite comercial e deve-se respeitar a quantidade recomendada pelo fabricante.

Caso não haja leite substituto canino comercial disponível, o veterinário responsável pela ninhada irá prescrever uma receita caseira a depender da disponibilidade do proprietário e da região. Não adianta prescrever ingredientes que não serão encontrados.

Uma receita bastante utilizada para filhotes de cães é (BRETAS, 2003):

 

4 gemas de ovo;

610 ml de leite integral;

3 colheres de sopa de creme de leite;

100 ml de água;

10g de suplemento vitamínico-mineral para cães em crescimento;

5g de calcáreo calcítico

 

As refeições devem ser divididas e realizadas a cada 3 horas, todo leite que sobrar de cada mamada deve ser descartado e uma nova receita ou mistura preparada na próxima refeição. O leite deve estar aquecido a uma temperatura semelhante à temperatura corporal da cadela (entre 37 – 38,5°C). Se o leite for administrado frio ou gelado, vai também baixar a temperatura do filhote.

As mamadeiras usadas devem ser aquelas próprias para filhotes de cães e gatos pois possuem um bico adequado para a abertura da boca do filhote. Mamadeiras de recém-nascidos humanos também podem ser utilizadas, pois possuem um bico menor, entretanto deve-se atentar para a abertura de saída do leite. Essa abertura deve ser tal que ofereça resistência para o filhote e ele tenha que sugar com mais força. Se o furo no bico da mamadeira for muito largo o filhote vai engasgar e aspirar o leite. Para testar o tamanho ideal do furo vire a mamadeira de cabeça para baixo. Se o leite fluir livremente, então o furo está muito largo. O leite não deve pingar livremente e somente quando levemente pressionado o bico da mamadeira.     

O filhote deve ser posicionado de bruços para a mamada, e a mamadeira deve ser posicionada de forma que o filhote tenha que levantar a cabeça para mamar. Posicione também a sua mão para oferecer apoio para as patinhas anteriores do filhote, pois ele faz movimentos com as mesmas como se estivesse estimulando a mama da mãe para a saída do leite.

 

Desmame

O desmame pode ser iniciado em filhotes a partir de quatro semanas e será completado quando o filhote atingir de 6 a 8 semanas.

O ideal é a utilização de papinhas de desmame para os filhotes e várias marcas estão no mercado (Papinha de desmame Premier, Papinha de Desmame Max). deve-se obedecer as indicações do fabricante. O desmame também pode ser realizado oferecendo ração em latas para filhote, aquecida, e misturada ao leite substituto. Essa refeição será gradativamente mudada para ração para filhotes.

 

A responsabilidade do proprietário dos cães também envolve a escolha do novo lar, socialização do filhote, vermifugação e vacinação. 

Os primeiros passeios de seu filhote

Passear de coleira é uma habilidade importante a ser aprendida por seu filhote. Ao passear com seu filhote pela primeira vez, a coleira será de suma importância, pois você deve ter certeza que ele esta bem seguro ao seu lado. Mesmo com um cão bem adestrado, sempre haverá situações em que você vai precisar colocá-lo na coleira; assim, se você acostumá-lo agora, ele se comportará bem com a coleira mais tarde. 

Escolha uma coleira ou um peitoral feito de um material resistente e flexível. As correntes metálicas podem ser muito pesadas para filhotes. Verifique se o fecho é fácil de abrir e fechar e, quando a coleira ou o peitoral estiver no lugar, veja se você consegue deslizar dois dedos entre ela e seu filhote para garantir que não esteja muito apertada. A guia também deve ser resistente e presa com segurança à coleira, para que ela não arrebente se o filhote tentar fugir.

Comece acostumando seu filhote a vestir a coleira ou o peitoral em casa. Deixe-o cheirá-la em primeiro lugar antes de colocá-la e brinque com ele usando um de seus brinquedos favoritos — logo ele se esquecerá de que a está vestindo. Você pode deixar uma coleira permanentemente se quiser, mas tenha a certeza de checá-la com regularidade para garantir que ela não esteja ficando muito apertada — seu filhote crescerá de forma surpreendentemente rápida!

Em seguida, acostume seu filhote com a ideia de ficar preso ou contido pela coleira ou peitoral. Prenda a coleira e, delicadamente, segure o filhote com a outra mão, para que ele não consiga se mexer ou se esquivar. Espere até que ele se sinta bem e fique imóvel antes que você o elogie e o solte. Pratique isso com frequência, ignorando qualquer tentativa de fuga ou evasão; logo ele aprenderá a esperar com tranquilidade caso você esteja prendendo-o na coleira.

Você então pode prender a coleira, outra vez só por brincadeira, para que ele fique feliz com essa nova ideia. Depois, comece a deixar a coleira no filhote, mantendo-se imóvel, e o elogie sempre que ele se voltar para você. Não se esqueça de soltar a guia apenas quando ele estiver com você, para que o filhote não aprenda a puxar a coleira para ir onde quiser. Por fim, comece a se mover, incentivando seu filhote a acompanhá-lo. Elogie-o quando ele fizer isso, mas fique imóvel e ignore-o se ele puxar ou parar. Espere até que ele se volte para você antes de elogiá-lo novamente e continuar. Esse método ensina ao seu filhote que, quando ele estiver na coleira, ele deverá ficar com você e que não adianta nada se afastar.

Nas primeiras vezes que você passear fora de casa com seu filhote, lembre-se de que talvez seja preciso parar regularmente para lembrá-lo a não puxar; assim, não planeje ir muito longe! Se você for paciente, praticar o adestramento com regularidade e sempre se manter constante, não vai demorar muito para que seu filhote se delicie com os passeios.

Fonte: http://www.royalcanin.com.br/newsletter/cao-filhote/os-primeiros-passeios-de-seu-filhote
 


Dentição dos filhotes

Assim como os bebês que estão ganhando seus primeiros dentes permanentes após a perda dos dentes de leite, e por isso sentem dor e desconforto, os filhotes de cães também passam pelo mesmo processo. A maioria deles começa a troca dos dentes a partir dos quatro meses, o processo de dentição para e recomeça por alguns meses. Um dos sintomas mais frequentes é o filhote tentar mastigar tudo que vê pela frente, enquanto a perda de apetite e diarreia são mais raros. Tratar a diarreia é uma tarefa contornável, embora seja sempre importante saber quando é hora de chamar um veterinário.

A conexão entre dentição e diarreia

Os filhotes que estão passando pelo processo de dentição tendem a salivar e a babar mais do que o normal. Engolir este muco pode levar a problemas digestivos e, consequentemente, à diarreia.

Dieta errada e diarreia

Durante a dentição, os filhotes procuram resolver o desconforto roendo objetos, na tentativa de aliviá-lo. Muitos acabarão, inadvertidamente, mastigando itens que podem levar à "dieta errada", onde partículas ou vestígios de objetos que eles mastigaram e ingeriram prejudicarão seu delicado trato digestivo. E isso pode levar à diarreia.

Tratando a diarreia em filhotes

Se a diarreia está apenas começando, o cachorro tem menos de 8 meses de idade e não apresenta sinais de desidratação, substitua a ração por arroz e frango e um pouco de água a cada 12 horas por 24 horas. Isso deve trazer um alívio para a barriga dele e acabará com a diarreia.

Quando procurar o veterinário

Se o filhote com diarreia tiver menos de 7 semanas, procure o veterinário imediatamente, filhotes muito jovens se desidratam rapidamente. Pode ser que seja um problema mais sério do que a dentição. Se ela não parar no prazo de 24 a 48 horas, avise o veterinário.

Tratando a dentição

Proporcione ao seu cãozinho um grande suprimento de brinquedos para mastigar durante esse período. Quando ele parecer estar incomodado, congele um brinquedo ou uma toalhinha molhada e dê para ele roer, já que o frio alivia as gengivas doloridas. Mantenha todas as coisas que você não quer que ele mastigue fora do seu caminho e considere prendê-lo quando não estiver em casa.

Fonte: www.ehow.com.br

Ouvidos

A falta de limpeza dos ouvidos nos animais de estimação ocasiona algumas doenças causadas pelo acúmulo de sujidades e de umidade. Com isto, forma um ambiente excelente para bactérias e fungos se desenvolverem, causando algumas doenças como: otite uni ou bilaterais, internas ou externas, causada por fungos e/ou bactérias, Otohematoma (acúmulo de sangue entre a cartilagem auricular e a pele da orelha), prurido, etc.

Cães com a orelha caída (pendular) são mais propensos a desenvolver problemas otológicos que os outros. O ouvido dos cães e gatos é semelhante ao dos humanos, mas não iguais. O ouvido de um cão apresenta dois canais no lugar de um canal no humano, e em diferentes posições. No cão o canal do ouvido apresenta-se dividido no canal vertical e canal horizontal, enquanto que no homem o canal é único no formato horizontal.

Esta anatomia nos facilita na limpeza do ouvido do cão e gato. Devemos fazer a limpeza no mínimo uma vez por semana, para prevenir as doenças já citadas anteriormente.Para a limpeza utilizamos algodão com produto específico para a limpeza de ouvido ou o álcool (salvo quando o pavilhão está em feridas, pois o álcool vai fazer com que arda e o seu animalzinho não vai gostar). Na ausência de um produto específico o álcool é o mais indicado devido ao fato de evaporar com facilidade, não acumulando umidade no ouvido.Outro ponto importante é os pêlos, animais de pêlo longo também são mais  predispostos a terem  problemas otológicos. Os pêlos que   se   encontram   na   entrada   do pavilhão auditivo devem ser removidos, pois nestes pêlos acumulam umidade e o próprio cerúmen, propiciando um excelente meio para as bactérias e fungos se desenvolverem. Leve-o ao veterinário ou a um Banho e Tosa e peça para retira-los.

Faça um chumaço de algodão, embebeda-o em álcool e limpe toda a entrada do pavilhão auricular; depois com um cotonete limpe o canal vertical. Faça a limpeza de cada ouvido separadamente, não utilizando o mesmo algodão e/ou cotonete para não transmitir contaminantes de um ouvido para o outro. 

Fonte: http://amigodepatas.vet.br/dicas/ouvido.htm

 Visão

Os filhotes abrem os olhos por volta dos 10 a 14 dias de vida. Apesar de abrirem os olhos eles só passaram a distinguir profundidade e distância com maior definição aos 3 meses. Devido à sensibilidade à luz, deve-se evitar luz direta nos olhos dos filhotes até as 4 semanas de vida.

Temperatura do filhote

 

Do nascimento até três semanas de idade, o filhote não é capaz de regular a temperatura corporal. Se ele não tiver sendo aquecido pela mãe, em pouco tempo a sua temperatura corporal cai. Somente com quatro semanas de vida o filhote é capaz de manter a temperatura corporal tal como o cão adulto, entre 38 e 39°C. Você deve manter o cãozinho recém-nascido aquecido a uma temperatura corporal entre 36 – 37°C. Para isso você vai precisar de uma caixa de papelão, uma toalha, jornal e um abajur. Deve-se então forrar a caixa de papelão com jornal, dispor a toalha como se fosse um ninho, mantendo o cachorrinho envolvido, e o abajur sobre a caixa, com lâmpada incandecente. Não podemos nos esquecer que a temperatura ambiente varia absurdamente nas regiões do Brasil, podendo derreter o cérebro do veterinário de Fortaleza ou até congelar daquele de Botucatu (não exemplifiquei com o sul do Brasil pois nunca estive por lá, só Deus sabe como vocês sobrevivem aí embaixo). Deve-se atentar que cerca de 80% do filhote é composto por água e pode desidratar rapidamente, portanto o ambiente não pode também estar muito quente, sendo respeitada a temperatura corporal de 36 – 37°C. Na terapia intensiva na clínica veterinária  pode-se evitar essa desidratação lambuzando o filhote com óleo johnson sem perfume, ou óleo mineral. É mais difícil avaliar desidratação em filhotes recém-nascidos, uma forma segura é passando o dedo na mucosa oral, que deve estar úmida e não ressecada. Muito cuidado para não superaquecer o filhote, ele não tem a capacidade de se afastar do calor sozinho.

 

AFERINDO A TEMPERATURA

 

Só faça este procedimento com seu Biewer se perceber algo de estranho com o mesmo, pois estes cães são muito espertos e você perceberá logo se estiver acontecendo algo de errado. Mas se atente a um detalhe, o focinho ou trufa NÃO é padrão para saber se seu Biewer está ou não com a temperatura alterada, este é um erro que todos nós um dia cometemos ou iremos cometer. Com certeza, na maioria das vezes, ele terá alterações como ficar quieto em um cantinho da casa, vai diminuir a ingestão de alimento e as vezes aumentar a ingestão de água. Na maioria dos cães, a alteração de comportamento é um sinal de que este animal possa estar com algum problema de saúde, mas se o seu Biewer é uma exceção e ele por natureza é um animal geralmente quieto, é um caso a parte e um pouco mais difícil, tendo que haver constante observações em alguns detalhes que só o proprietário sabe e conhece.

Para aferirmos a temperatura de um cão, teremos que ter um termômetro clínico sendo próprio para a introdução retal. Dependendo do temperamento do seu cão, você poderá necessitar da ajuda de outra pessoa, pois se o animal se agitar demais e você estiver só poderá causar até uma lesão ou dor local, devido a extremidade do termômetro ser fina. Se você conseguir que outra pessoa lhe ajude, então segure a cauda do animal e introduza o termômetro a 2,5 cm de sua extremidade, se você estiver usando um termômetro clínico, você houvirá um sinal sonoro, indicando que o termômetro já poderá ser retirado. Desta forma após retirar o mesmo, observe a temperatura que está indicando, se a temperatura indicada for de 38,6° C seu Biewer está livre de uma febre, mas se estiver com 39,3 aí recomendo a procura de um médico veterinário. Outro detalhe importante, se o seu cão se estressou para que você conseguisse introduzir o termômetro, cuidado a temperatura indicada muitas vezes corresponde ao animal ter ficado muito agitado e não a uma febre propriamente dita, desta forma recomendo que espere seu cão se acalmar para depois com calma tentar novamente.

 

E AGORA, COMO MINISTRAR MEDICAMENTOS PARA MEU ANIMAL!

 

Esta é a pior parte quando você volta de uma consulta veterinária com seu animal de estimação, creio que  você não deixa de fazer uma pergunta, “doutor é difícil de meu animal ingerir comprimidos” ou também “doutor o que vou fazer, meu cão não ingere medicamentos que sejam na forma  líquida ”. Que proprietário que ainda não passou por isto, não é mesmo, é o que mais ouço quando vou prescrever medicamentos para meus pacientes, tenho que primeiro conversar com o proprietário para depois ver as formas farmacêuticas disponíveis para agradar ambas as partes e o animal passar pelo tratamento corretamente, sem que haja falhas na administraçao do medicamento. 

MINISTRANDO COMPRIMIDOS OU CÁPSULAS

 

Se você optar pelo medicamento na forma de comprimido ou cápsula, coloque o mesmo dentro de alguma guloseima que seu animal aprecie para dar um disfarce no formato do medicamento e também no gosto, pois pode ser que seu animal irá ingerir alguma droga que seja voltado para humanos, como um exemplo a “cefalexina”, que possui um sabor para os cães não muito agradável. Desta forma, o animal percebendo o gosto com certeza irá desprezar o medicamento. Mas se o medicamento for  da linha animal, com certeza você só terá que disfarçar o formato do medicamento em sí,  ou não, pois o sabor terá algum aroma artificial voltado para o paladar dos cães, para não haver desperdícios.

Mas se seu cãozinho, não é fácil de ser enganado, no bom sentido, outra forma de conseguir que seu cãozinho possa ingerir o medicamento, é apoiando seu cão sobre seus joelhos, mas peça ajuda a uma segunda pessoa, apoie a cabeça do cão sobre seus joelhos, pois pode ser que ele não se comporte o suficiente para o término deste procedimento. Com ambas as mãos livres coloque a mão esquerda sobre o focinho ou trufa do seu cãozinho e introduza o polegar em um dos lados da boca na parte posterior da mandíbula e o dedo médio no lado oposto. Desta forma faça uma ligeira pressão com os dois dedos, fazendo com que o animal abra a boca para que você possa introduzir o medicamento no final da língua, quase no início da garganta do mesmo.

Agora se para ambas as partes é mais fácil ministrar medicamentos que sejam em forma de suspensão, vamos necessitar de uma seringa para a introdução do medicamento. Desta forma siga as instruções acima para abrir a boca de seu cãozinho, coloque a seringa na mão direita, introduza a ponta dela na parte posterior e lateral da boca, injetando o líquido vagarosamente para que o animal não engasgue, permitindo que o mesmo possa respirar e engolindo a dose toda, MAS se houver algum desperdício, NÃO tente dar a parte perdida novamente, pois não se sabe ao certo o quanto do medicamento foi desprezado, podendo haver sobredose do medicamento no organismo do animal, causando efeitos adversos ou colaterais no seu animal.

VERMES

São parasitas que habitam o trato gastrointestinal e também outros órgãos, podendo causar também problemas para os seres humanos por terem contato com os  animais doentes. Os vermes mais encontrados em animais domésticos são: Toxocara canys, Trichuris vulpis, Ancylostoma caninum e Dipylidium caninum. Além destes serem os vermes encontrados com maior freqüência, temos também as doenças que são transmitidas para os seres humanos através dos vermes:

·         Larva Migrans Visceral: ela é causada pela larva da Toxocara canis, é encontrada em vários órgãos do corpo humano, tais como olhos, sistema nervoso.

·         Larva Migrans Ocular: ela é causada pelas larvas de Nematodeos, causando também lesões oculares.

·         Larva Migrans Cutânea: ela é causada pelo Ancylostoma, penetrando na pele.

·         Hidatidose Cística: causada pela larva de Echinococcus, formando um cisto em vários órgãos, tais como fígado, baço e sistema nervoso central.

Após este breve resumo, o aprendizado que fica é sempre levar seu Biewer regularmente ao médico veterinário, pois desta forma você terá um animal saudável e com certeza livre de qualquer doença, seja por vermes ou até por outras causas. Sairá bem mais em conta a prevenção do que depois gastar com a medicação ou até mesmo uma internação para tentar salvá-lo de algum problema de saúde mais sério, causado por vermes. Um bom controle com uma vermifugação, sempre é bem mais prático e saudável, pense nisto.

 

VERMÍFUGAÇÃO

Os animais de estimação adquirem vermes com muita facilidade, sejam adultos ou filhotes, sem que o proprietário nem perceba que o animal está com este problema. Os filhotes podem adquirir vermes intestinais, através da placenta. Além desta forma de contágio, há filhotes que se contagiam na alimentação sob a forma de ovos nas fezes de outros animais parasitados, com toda a certeza sendo provenientes da mãe transmitidos via transplacentária. Estes animais com certeza apresentarão sinais clínicos mais cedo ou mais tarde, muitas vezes passam despercebidos pelos proprietários. Alguns destes sinais podem ser: os cães  podem ficar anêmicos, ter mal aproveitamento de nutrientes, atraso no seu crescimento, pelos eriçados e sem brilho, aumento de volume abdominal, diarréia, vômito e nos casos mais avançados, ficarão tão fracos a ponto de irem a óbito.

Aí é que surge a importância da vermifugação em cães adultos e principalmente filhotes, mas, contudo sobre orientação do médico veterinário, pois o único conselho que podemos lhe dar é, peça para seu médico veterinário vermífugos que sejam da linha Plus, eles são muitos mais seguros e eficazes, pois existe hoje uma vasta gama de marcas disponíveis no mercado pet brasileiro, podendo deixar o proprietário em dúvida quanto a “qual vermífugo devo comprar”, ou “qual é que irá suprir as necessidades do meu animal“, pois para cada peso é prescrita uma dosagem, a dose para um filhote não é a mesma dosagem prescrita para um adulto. Os proprietários de canis devem se atentar a este problema, pois se tiverem algum animal filhote ou adulto nesta situação, deve-se fazer o recolhimento das fezes e a desinfecção do piso e das baias ou boxes para evitar uma possível contaminação para outros cães. Também devem prestar atenção nas fêmeas, pois as mesmas devem ser vermifugadas antes da cruza e dez dias antes da data do parto.

Desta forma, salientamos que a verminose é causada por vários tipos de vermes e que acabam por complicar a saúde e o desenvolvimento de seu animal. Por isto, é indicado ser feita a primeira vermifugação ainda quando os animais são filhotes e estão amamentando e após o desmame. Os cães jovens devem-se vermifugar em intervalos de três em três meses. Os adultos devem tomar as doses de vermífugos em intervalos de três a seis meses. Se você tiver mais cães, não só filhotes aqui vão alguns conselhos, vermifugue todos sem exceção, pois só assim você conseguirá um bom controle sobre estes endoparasitas, que prejudicam na maioria das vezes o trato gastrointestinal dos animais.